A Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC) de Lisboa anunciou esta quarta-feira a retificação dos resultados do concurso de marchas populares deste ano, com a marcha de Marvila a passar de 12.ª para 4.ª classificada.

Em informação enviada à agência Lusa, o diretor da Programação Cultural da EGEAC, Pedro Moreira, explicou que a correção ocorreu depois de um «pedido de esclarecimento apresentado pelos responsáveis da Marcha de Marvila».

Na sequência do protesto de Marvila, a EGEAC pediu ao júri a verificação dos mapas e grelhas de pontuação e encontrou-se uma «anomalia na grelha que conjuga as pontuações obtidas na apresentação na Meo Arena e no desfile na Avenida (da Liberdade).»

A EGEAC justificou a «anomalia» com um «update» do sistema do computador durante a inserção dos dados na madrugada de dia 13 de junho».

Constatado o erro, o júri decidiu «retificar a classificação final, passando a Marcha de Marvila a ocupar a posição de 4.º lugar, com um total de 219 pontos».

A classificação final das marchas ficou disponível em aqui.

Logo a 13 de junho, houve protestos contra os resultados do concurso das Marchas Populares de Lisboa, que deram a vitória a Alfama.

O presidente da Associação Musical 03 de Agosto de Marvila, Marco Silva, disse à agência Lusa que o protesto foi realizado junto àquela agremiação por elementos da marcha popular de Marvila, aos quais se foram juntando membros de outras marchas.

No desfile das marchas populares participaram 22 marchas, 20 das quais entraram em competição.

As marchas populares foram avaliadas no MEO Arena e na Avenida da Liberdade nas categorias de Coreografia, Cenografia, Figurino, Melhor Letra, Musicalidade, Melhor Composição Original e Desfile na Avenida.

A melhor composição original foi de Marvila, com o tema «Das Quintas Partem Cavalos», e o melhor desfile da Avenida da Liberdade foi o de Alfama.