Marcelo Rebelo de Sousa: as sugestões de livros

Professor deixa várias escolhas

Por: Redação    |   13 de Junho de 2010 às 22:57
Marcelo Rebelo de Sousa deixou, no seu comentário habitual no Jornal Nacional da TVI, algumas sugestões de livros. Confira aqui todas:

- Primeiro um cd. «Meu caminho é por mim fora», de Sebastião da Gama. Poesia dita por muito boa gente, inclusive Maria Barroso. Uma homenagem a Sebatião da Gama

- Do antigo ministro Eduardo Marçal Grilo, «Se não estudas estás tramado», uma série de textos dez anos depois do seu último livro, em que faz um balanço de como é que a educação evoluiu. Nalgumas coisa melhorou, em muitas pirou em Portugal.

- Do nosso querido amigo e conhecido Miguel Sousa Tavares, temos para crianças «Ismael e Chopin», um coelho que fica íntimo de Chopin. Oficina do Livro

- Este tem piada, porque é raro. É um curso de medicina, de Coimbra, que publicou um livro sobre o seu próprio curso, os professores, os colegas. Curso de 54/60. «Tempo em Mão»

- Em tempo de centenário da República, homenagem ao democrata e republicano Artur Santos Silva, o pai do presidente da Comissão. «Uma vida pela Liberdade». Uma homenagem muito bonita, inclusive pela própria família.

- No outro pólo, do tempo da ditadura, a história de «Dona Maria, a governanta companheira de Salazar», por Joaquim Vieira.

- Porque, e bem, Cavaco Silva decidiu associar os ex-combatentes a este 10 de Junho, e fez António Barreto um lindíssimo discurso sobre este tema. «Revisita Goa, Damão e Diu». Uma edição da Liga dos Combatentes.

- Finalmente, porque é 10 de Junho, este calhamaço enorme, que é o primeiro dos vários que a Gulbenkian vai editar, com direcção de José Mattoso: «Património de origem portuguesa no mundo»
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
COMENTÁRIOS

PUB
10 anos de prisão para Duarte Lima: «É uma decisão brutal»

Caso Homeland: tribunal dá como provados os crimes de burla qualificada e branqueamento de capitais. Terá de indemnizar a Parvalorem em, pelo menos, 18 milhões de euros. Pedro Lima, o filho, foi absolvido. Os outros três arguidos também foram condenados. Todos vão recorrer e, por isso, saíram hoje pelo próprio pé do Campus de Justiça. Duarte Lima transferiu de forma ilícita 3 milhões de para a Suíça. Ficou provado que ele e Vítor Raposo enganaram o BPN sobre o valor dos terrenos de Oeiras