O patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, será nomeado cardeal no Vaticano a 14 de fevereiro, anuncia a Reuters.

 

O Papa Francisco escolheu este domingo 20 novos cardeais, sendo que 15 deles vão ter poder de eleição no conclave.

 

Além de Manuel Clemente, vão ser tornados cardeais sacerdotes de Itália, Etiópia, Nova Zelândia, Vietname, México, Birmânia, Tailândia, Uruguai, Espanha e Panamá.

Habitualmente, o Papa nomeia os patriarcas como cardeais eleitores no primeiro consistório após a tomada de posse, mas, no caso de Manuel Clemente, o primeiro consistório ocorreu quando o patriarca emérito José Policarpo era ainda cardeal eleitor. É habitual não existirem dois cardeais eleitores na mesma diocese.

Neste momento, há 110 cardeais eleitores, dos quais 52 são da Europa.

Até agora, representavam Portugal no Colégio Cardinalício José Saraiva Martins, prefeito emérito da Congregação para as Causas dos Santos, e Manuel Monteiro de Castro, penitenciário-mor emérito.

O Papa destacou que os novos cardeais são «procedentes de 14 nações de todos os continentes» e que «representam o vínculo inseparável entre a Igreja de Roma e as Igrejas particulares presentes no mundo».

O porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, destacou que nas novas nomeações dá-se destaque a países que não tinham antes tido um cardeal, com «comunidades eclesiásticas pequenas ou em situação de minoria».

Francisco destacou ainda que a 12 e 13 de fevereiro, antes da criação formal dos novos cardeais, realizar-se-á um consistório destinado a «refletir sobre as orientações e as propostas para a reforma da Cúria romana».