Um ano após a manifestação dos polícias, em Lisboa, continuam por revelar os resultados do inquérito realizado pela Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) à invasão das escadarias da Assembleia da República, no final do protesto.

A 21 de novembro de 2013, milhares de elementos das forças e serviços de segurança - PSP, GNR, SEF, ASAE, Polícia Marítima, guardas prisionais, Polícia Municipal e Polícia Judiciária - protestaram contra os cortes orçamentais.

No final da manifestação, junto à Assembleia da República, os manifestantes derrubaram as barreiras metálicas de proteção, passaram pelo contingente policial e, num gesto inédito, chegaram ao topo das escadarias, com o corpo de intervenção a recuar até às portas da AR.

Não houve carga policial e os polícias manifestantes - que junto à porta da AR cantaram o hino nacional e gritaram «Invasão», «Demissão» e «Polícia unida jamais será vencida» - garantiram sempre que se tratou de um gesto simbólico.

Na sequência destes incidentes, o então diretor nacional da PSP, Paulo Valente Gomes, colocou o lugar à disposição, tendo a sua disponibilidade sido aceite pelo ex-ministro da Administração Interna.

Miguel Macedo, que garantiu que «não pode nem vai repetir-se» uma invasão à escadaria do parlamento, escolheu o comandante da Unidade Especial de Polícia, Luís Farinha, para novo diretor da PSP.

A IGAI elaborou um inquérito de averiguações à manifestação, tendo sido enviadas, para o então titular da Administração Interna, em dezembro do ano passado, as conclusões do relatório.

Miguel Macedo, que apresentou domingo a demissão da pasta da Administração Interna, na sequência de uma investigação aos vistos“gold, nunca divulgou o relatório da IGAI, nem o entregou ao parlamento, apesar da insistência dos partidos da oposição.

No passado mês de outubro, Miguel Macedo disse que ainda estava a «ponderar» quais as medidas a tomar face ao relatório da IGAI.

O presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia e secretário nacional da Comissão Coordenadora Permanente (CCP) dos Sindicatos e Associações dos Profissionais das Forças e Serviços de Segurança, Paulo Rodrigues, estrutura que organizou o protesto, disse à agência Lusa que desconhece qual a fase em que se encontra o processo, esperando que já esteja arquivado.

«Se o ex-ministro da Administração Interna arquivou o processo, foi a atitude mais correta. Se não o fez, espero que a atual ministra faça uma análise muito clara», sustentou.

Paulo Rodrigues adiantou ainda que a abertura de um inquérito «não fez qualquer» sentido, considerando que os resultados da manifestação foram uma consequência das políticas do Governo.