A maioria das escolas está a funcionar normalmente e os diretores referem apenas «casos pontuais» de estabelecimentos encerrados e alunos sem aulas por causa da manifestação agendada para esta sexta-feira em Lisboa contra as políticas de austeridade.

Algumas escolas não estão hoje a funcionar porque os funcionários decidiram participar na concentração promovida pela Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública.

Na Escola D. Pedro IV, em Queluz, os alunos que tinham aulas logo às 08:10 depararam-se com os portões encerrados, contou à Lusa a mãe de um aluno do 9.º ano. Os estudantes foram informados logo de manhã pelo diretor da escola, em Massamá, que os funcionários tinham aderido ao protesto e por isso iria permanecer encerrada durante todo o dia.

Segundo o diretor da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), Adalmiro Botelho da Fonseca, a manifestação não está a afetar o normal funcionamento da maioria dos estabelecimentos, havendo apenas «casos pontuais de escolas encerradas».

A manifestação de hoje tem por objetivo exigir a reposição dos cortes nos salários e nas pensões, bem como a reposição das 35 horas de trabalho por semana, contra as atuais 40 horas.