O ministro da Administração Interna manifestou hoje «confiança» nos elementos da GNR e da PJ que procuram o suspeito de balear quatro mulheres em S. João da Pesqueira, mas admitiu que «todos» desejariam que a operação já tivesse terminado.

«Tenho, evidentemente, confiança nos homens da Guarda Nacional Republicana e da Polícia Judiciária que estão no terreno, mas evidentemente todos, a começar por eles próprios, desejariam que essa operação já tivesse terminado», afirmou Miguel Macedo.

A 17 de abril, quatro mulheres foram baleadas na freguesia de Valongo dos Azeites, no norte do distrito de Viseu, tendo duas acabado por morrer e outras duas ficado feridas.

O suspeito é um homem de 61 anos, que estava com pulseira eletrónica desde outubro de 2013 e proibido de contactar a sua ex-mulher, que foi uma das baleadas.

Foram ainda atingidas a tiro de caçadeira a filha do suspeito, que sofreu ferimentos graves, e a sua ex-sogra e uma tia da ex-mulher, que acabaram por morrer.

«Adequado controlo das suas fronteiras»

Miguel Macedo considerou também que a detenção de um suspeito de tráfico de menores no aeroporto Sá Carneiro, no Porto, na quinta-feira, prova que Portugal «tem um adequado controlo das suas fronteiras».

Segundo o governante, esta detenção prova, ainda, que Portugal «tem esta preocupação bem sinalizada e tem procedimentos que estão a ser adequadamente cumpridos e efetivados».

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) anunciou no sábado a detenção, na quinta-feira, de um suspeito de tráfico de menores no aeroporto Sá Carneiro, no Porto.

Em comunicado, o SEF informou que a detenção ocorreu no âmbito do controlo de fronteira realizado à chegada dos passageiros de um voo proveniente de Luanda.

Sublinhando que «ainda não se sabe exatamente qual é a situação» em causa, Miguel Macedo sublinhou que a detenção revela que «o SEF estava alerta e procedeu da forma adequada, tendo em vista evitar uma situação que podia ser configurável de desvio de menores».

«Era mais preocupante se a situação não tivesse sido identificada ou sustida», acrescentou.

O homem foi já presente a tribunal, tendo ficado sujeito à medida de coação de prisão preventiva. Os menores encontram-se à guarda da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens.

Ação «verdadeiramente lamentável»

Ministro considerou ainda «verdadeiramente lamentável« a iniciativa desenvolvida pelo Sindicato Nacional de Polícia (Sinapol) nos aeroportos do país e acusou o responsável pela ação de ter «zero horas de trabalho policial» em 2013.

«Eu acho esse tipo de ações verdadeiramente lamentável», referiu Miguel Macedo, aludindo à iniciativa do Sinapol de distribuição de panfletos aos turistas nos aeroportos nacionais alertando que as dificuldades por que alegadamente passam os polícias podem fazer perigar a segurança do país.

Para Miguel Macedo, esse alerta «não corresponde à verdade, porque, nos termos do relatório anual da Segurança Interna, os resultados da criminalidade em Portugal em 2013 foram os melhores da última década».

«Portanto, Portugal é um país seguro e um destino seguro, como de resto várias sondagens com muitos turistas que nos visitam bem assinalam», acrescentou.

Para Miguel Macedo, a ação do Sinapol é também lamentável porque «significa verdadeiramente um desprezo pelo trabalho dos milhares de homens e de mulheres das forças de segurança, que garantem a segurança do país e dos portugueses».

Miguel Macedo falava em Amares, à margem de uma sessão de entrega às corporações de bombeiros do norte do país de equipamentos portáteis para operação na Rede SIRESP - Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal.