Os pais de Madeleine McCann não desistem do processo judicial contra o ex-inspetor da Polícia Judiciária Gonçalo Amaral e vão agora recorrer ao Supremo Tribunal de Justiça. A batalha judicial entre os McCann e Gonçalo Amaral dura há sete anos.

Segundo a imprensa inglesa, o recurso foi apresentado a 23 de maio. Esta é a derradeira tentativa para o casal McCann, que exige uma indemnização por danos morais devido à publicação do livro "A Verdade da Mentira", da autoria do ex-inspetor da PJ. O livro chegou mesmo a ser retirado do mercado em setembro de 2009 por decisão judicial. 

Gonçalo Amaral foi condenado em primeira instância a pagar meio milhão de euros de indemnização a Kate e Gerry McCann, mas recorreu da decisão e, em abril, foi absolvido pelo Tribunal da Relação de Lisboa. A Relação de Lisboa considerou que o antigo coordenador da PJ agiu num quadro de “legítimo exercício do direito de opinião” e o livro voltou a ser colocado à venda.

Agora, caso Gonçalo Amaral seja absolvido pelo Supremo, os pais de Maddie poderão ter de pagar uma indemnização ao ex-inpetor.

No livro "A Verdade da Mentira", Gonçalo Amaral, de 57 anos, defende que Maddie morreu acidentalmente e que os pais terão ocultado o cadáver da menor.  

Recorde-se que a menina desapareceu do apartamento onde a família britânica estava alojada na Praia da Luz, Algarve, em 2007, enquanto os pais estavam a jantar fora.