Luís Filipe Vieira foi ouvido, esta quarta-feira à tarde, no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP), em Lisboa, como arguido e não como testemunha. Em causa, está o chamado caso dos "capangas", relacionado com os incidentes ocorridos no encontro entre o Desportivo das Aves e o Benfica, a 22 de outubro.

As primeiras informações, avançadas a meio da tarde, davam indicação que Luís Filipe Vieira estaria a ser ouvido na condição de testemunha. Mas, esta noite, soube-se que tinha afinal sido ouvido na condição de arguido. A informação foi confirmada à TVI por fonte do Benfica. 

De acordo com informação citada pelo Diário de Notícias, que cita a Procuradora-Geral da República, o presidente do Benfica foi ouvido "no âmbito de um inquérito em que se investiga a eventual prática de um crime de difamação".

Em novembro do ano passado, em entrevista à BTV, Vieira revelou que elementos do Benfica tinham sido ameaçados por alegados membros dos Super Dragões durante este jogo.

Nas Aves tínhamos quatro capangas identificados, Super Dragões, a ameçar o Paulo Gonçalves", afirmou.

O jornal Record divulgou, na altura, uma imagem dos quatro homens no camarote do Desp. das Aves.

Vítor Catão, diretor-desportivo do Canelas 2010, assumiu ser um dos homens nessa imagem, mas desmentiu quaisquer ameaças, garantindo que iria levar o caso a tribunal.