Um grupo de seis pessoas foi esta sexta-feira detido, em flagrante delito, pela GNR a furtar carris da desativada linha do Tua, no concelho de Macedo de Cavaleiros, distrito de Bragança, disse fonte da força de segurança.

De acordo com informação avançada à agência Lusa pela GNR, o grupo foi surpreendido na sequência de uma denúncia às autoridades.

Os militares do posto de Macedo de Cavaleiros da GNR apanharam os indivíduos em flagrante delito com material para cortarem e removerem a via-férrea e com «20 metros de carris» já carregados num veículo, segundo a fonte.

Este é segundo furto em menos de duas semanas na antiga linha, depois de, a 10 de março, a GNR ter dado conta da detenção de três homens também em flagrante delito, mas na zona de Mirandela.

Naquela ocasião foram apreendidos cerca de 68 seguimentos de carril de linha férrea, o que totaliza cerca de 99 metros lineares de ferrovia.

Os suspeitos ficam indiciados do crime de furto de metais não preciosos.

A linha do Tua, que ligava Bragança à linha do Douro, no Tua, em Carrazeda de Ansiães, está desativada na maior parte da sua extensão desde o início da década de 1990.

Da centenária ferrovia restavam pouco mais de 50 quilómetros entre Mirandela e o Tua, que estão reduzidos a 15 quilómetros de Mirandela ao Cachão, depois da suspensão da circulação no restante traçado, em 2008, após quatro acidentes com outras tantas mortes.

A linha ficará parcialmente submersa pela barragem de Foz Tua, em fase de conclusão, e o regresso do comboio a parte dos carris está dependente de financiamento comunitário para o prometido plano de mobilidade contrapartida da obra da hidroelétrica.

Várias associações ambientalistas e movimentos de defesa da linha têm denunciado nos últimos anos o abandono, vandalismo e furtos.