O Ministério Público (MP) pediu  esta terça-feira dois anos de prisão para um militar da GNR, em Vila Nova de Gaia, acusado de usar a arma de serviço, uma Glock, modelo 19, em sessões de striptease, em 2014.

«Agiu com enorme leviandade e dolo imenso», referiu o procurador do MP durante as alegações finais, no Tribunal São João Novo, no Porto, segundo a Lusa.

O cabo da GNR, de 32 anos, está acusado de comércio ilícito de material de guerra, um crime punido pelo Código de Justiça Militar com uma moldura penal de um a quatro anos.

Segundo a acusação, o militar terá realizado a 08 de março de 2014, Dia da Mulher, quatro espetáculos de striptease em discotecas, bares e restaurantes diferentes com a farda e arma de serviço tendo sido, posteriormente, publicadas fotografias na rede social Facebook.

Durante o julgamento, o arguido confessou ter realizado os espetáculos com a farda para dar «mais realismo à personagem» que desempenhava por dificuldades económicas.

Além disso, garantiu que a arma usada nos shows eróticos era uma réplica, emprestada por um amigo.
E, a sustentar esta tese, algumas da testemunhas afirmaram que a arma nunca saiu do posto da GNR dos Carvalhos, Gaia, onde o militar presta serviço.

O MP considerou que a arma utilizada era a de serviço e, assim, o militar pôs em «perigo a vida e segurança das pessoas».Por seu lado, a defesa pede a absolvição do militar, alegando que a arma esteve sempre guardada no respetivo cacifo.

A leitura do acórdão está agendada para dia 27 de fevereiro, pelas 13:30.