Uma mulher, de 39 anos, vai ser julgada no Tribunal de Santa Maria da Feira por alegadamente ter burlado várias pessoas através da venda de bens na internet.

Os factos remontam aos meses de agosto e setembro de 2012.

Segundo o despacho de acusação, a que a Lusa teve acesso esta segunda-feira, a mulher colocava anúncios em sites de classificados gratuitos a promover a venda de carrinhos de bebé.

Quando era contactada por potenciais compradores, a suspeita solicitava o pagamento antecipado, através de transferências bancárias para a sua conta.

A alegada burlona nunca chegava a proceder ao envio dos produtos e, após receber o dinheiro, deixava de estar contactável.

Em apenas dois meses, a arguida terá burlado, pelo menos, três pessoas que ficaram sem cerca de 750 euros.

Os lesados, duas mulheres e um homem, apresentaram queixa na Polícia Judiciária que conseguiu identificar a mulher, através dos dados da conta bancária onde o dinheiro era depositado.

A arguida vai agora ser julgada por três crimes de burla e outros tantos de apropriação ilegítima em caso de acessão.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), a arguida «assumiu com os ofendidos um compromisso que não pretendia cumprir».

«A arguida induziu em erro os ofendidos, com a intenção de criar nestes a convicção que o negócio que estavam a realizar era verdadeiro, o que sabia não ser verdade, e que nunca teve em seu poder tais carrinhos de bebé», diz o MP.

Através deste método, a mulher conseguiu que lhe entregassem uma quantia pecuniária a que sabia não ter direito, provocando um prejuízo patrimonial efectivo aos ofendidos no valor pelo menos dos montantes por estes pagos.