O número de jovens internados, em março, nos centros educativos era de 187, registando-se uma diminuição de 23,04 por cento em relação ao mês homólogo de 2014, segundo a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP).

A estatística da DGRSP do mês de março indica que, a partir de julho de 2014, registou-se uma diminuição da lotação e do número de jovens internados com o fecho do Centro Educativo de Santa Clara, em Vila do Conde.

A DGRSP adianta que, desde novembro de 2014, que o número de jovens internados é inferior à lotação, estando, em março deste ano, internados 187 adolescentes para uma lotação de 198.

Dos 187 jovens internados, cinco encontravam-se em ausência não autorizada, não regressando aos centros educativos após autorização de saída.

Segundo a estatística de março, 64 por cento dos jovens estavam em regime semiaberto, 20 por cento em fechado e 16 por cento em aberto.

A maioria dos jovens (94 por cento) estavam em março a cumprir medida tutelar de internamento e seis por cento em cumprimento de medida cautelar de guarda, que pressupõe a existência fundada de perigo de fuga ou cometimento de outros crimes.

A DGRSP refere também que 49 por cento dos jovens cometeram crimes contra o património, nomeadamente roubos e furtos, e 42 por cento praticaram crimes contra as pessoas, como ameaça e coação e ofensas à integridade física.

Os dados indicam ainda que a maioria dos jovens internados (88,7%) eram rapazes com 16 ou mais anos e tinha equivalência ao primeiro (51%) e segundo (42%) ciclo de escolaridade.

Cerca de 62 por cento dos jovens internados em centros educativos, em março, foi alvo de processos oriundos de tribunais da área da Grande Lisboa.