A RTP suspendeu o espaço de comentário que o ex-primeiro-ministro José Sócrates tem aos domingos na RTP1, na sequência da sua detenção, e não irá ter «plano B», disse hoje à Lusa do diretor de Informação.

O ex-primeiro-ministro José Sócrates foi detido na sexta-feira à noite, quando chegava ao aeroporto de Lisboa, vindo de Paris, no âmbito de um processo de suspeitas de crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção.

Esta é a primeira vez na história da democracia portuguesa que um antigo primeiro-ministro é detido para interrogatório.

Questionado pela Lusa sobre o que irá acontecer ao espaço de comentário que José Sócrates tem na RTP, após o Telejornal, o diretor de Informação, José Manuel Portugal, disse: «Não há plano B e não vai haver».

O responsável adiantou que «por razões óbvias, o espaço [de comentário] está suspenso».


Sócrates iniciou o comentário político semanal na RTP em abril do ano passado, perante um coro de protestos que incluiu uma petição pública eletrónica, a qual recolheu mais de 100 mil assinaturas, e uma manifestação contra a sua presença na estação pública.

A 27 de março de 2013, quando Sócrates concedeu uma entrevista à RTP, depois ter perdido as eleições em 2011, menos de duas dezenas de pessoas concentraram-se à porta da RTP para protestar contra a sua presença na estação pública.

O protesto tinha sido marcado nas redes sociais, mas acabou por ter pouca adesão, com o grupo a desmobilizar algum tempo depois do início da entrevista ao antigo chefe de Governo. Nesse dia, também alguns apoiantes do antigo governante marcaram presença, terminando a ação de uma forma pacífica.

Entretanto a petição on-line contra a presença de Sócrates «em qualquer programa da RTP» foi recusada por unanimidade pela comissão de Assuntos Constitucionais, em fevereiro deste ano, porque punha em causa a «liberdade de expressão e informação».

A petição «contra a presença do ex-primeiro-ministro José Sócrates em qualquer programa da RTP» recolheu eletronicamente mais de 138 mil assinaturas.