“A justiça portuguesa vai transformar Sócrates num herói”, é nisso que acredita Marinho e Pinto, antigo bastonário da Ordem dos Advogados. O causídico esteve no Jornal das 8, na TVI, e falou sobre o caso que envolve o ex-primeiro-ministro e ainda o caso BES.

Marinho e Pinto considera que mesmo que manter José Sócrates em prisão preventiva é “uma birra” dos procuradores do Ministério Público e tem dúvidas que a pulseira eletrónica evitasse a perturbação de inquérito. 

“Então a pulseira eletrónica garantia que o inquérito não era perturbado, por amor de deus, não façam de nós tolos. Não façam deste país um país de pessoas sem inteligência, de nécios, por amor de deus”, afirmou.

E lembra que com José Sócrates fora da cadeia de Évora, onde agora se encontra, o prazo para apresentar a acusação ficaria “mais dilatado”. “Se ele estiver preso, vai ter que apresentar a acusação em novembro. E a acusação vai ser escortinada de alto a baixo. No dia seguinte todos vão saber apesar do segredo de justiça”, conclui o ex-bastonário.

Em relação ao caso BES, Marinho e Pinto não tem dúvidas que já devia haver arguidos no processo. Defende mesmo que para haver buscas domiciliárias e arresto de bens, alguém tem de ser constituído arguido.

O antigo bastonário acusou também o Ministério Público de recorrer sistematicamente a manobras dilatórias com o objectivo de alargar prazos para deduzir o inquérito.