O romance «Ensaio sobre a Lucidez», de José Saramago, foi publicado no Irão, traduzido para língua pársi, a partir do inglês, por Alireza Shaheri, anunciou a agência de editores iraniana (BNA).

A agência refere que o romance foi publicado em Portugal em 2004 e em 2006 em língua inglesa, e é «uma sequela de um dos seus mais famosos romances, o 'Ensaio sobre a Cegueira'».

Segundo a BNA, «Ensaio sobre a Lucidez» é «uma história ambientada no mesmo país de 'Ensaio sobre a Cegueira', e começa com uma eleição parlamentar em que a maioria da população lança votos em branco».

«A história gira em torno das lutas internas do Governo, entre os seus membros, e como se esforçam, simultaneamente, em compreender e destruir o amorfo não-movimento dos branco-eleitores», escreve a BNA.

A agência iraniana cita o catedrático e crítico literário norte-americano Harold Bloom, que descreveu o Prémio Nobel português como «o maior romancista vivo», no final da década de 1990, e o considerou «um elemento permanente do cânone ocidental».

Também é citado, pela agência iraniana, o ensaísta e crítico literário britânico James Wood, que elogia «o tom distintivo de ficção» de Saramago, «porque narra os seus romances como se fosse alguém, simultaneamente, sábio e ignorante».

José Saramago, falecido na ilha espanhola de Lanzarote em 2010, recebeu o Prémio Nobel da Literatura em 1998 e, segundo a BNA, «algumas das suas obras podem ser vistas como alegorias, apresentando habitualmente perspetivas subversivas sobre eventos históricos, que valorizam o fator humano», cita a Lusa.

Além de Alireza Rooz Khosh, a obra de Saramago tem sido divulgada em pársi por outros tradutores, como Kiumars Parsay, Bahare Paryab e Habib Gohari Rah.

A versão pársi de ¿Ensaio sobre a lucidez¿ tem 296 páginas e foi publicada pela editora Majid.