O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) registou esta terça-feira, pelas 17:03, um sismo de magnitude 3,5 na escala de Richter, cujo epicentro se localizou a cerca de quatro quilómetros a Este-Nordeste de Amarante e que foi sentido "de lés a lés do concelho", com grande intensidade, segundo o comandante da Proteção Civil local.

Temos registos de lés a lés do concelho. A descrição que nos foi feita do sismo é muito similar pelo concelho todo. Não foi de grande duração, de facto, mas sentiu-se e sentiu-se bem. Toda a gente dizia que parecia que algo tinha ido de encontro ao edifício e ele tinha sofrido com aquela circunstância", contou Hélder Ferreira.

Segundo o responsável, pelas 18:30 "foi retomada a normalidade no concelho", indicando que "nos momentos logo a seguir ao sismo foram recebidas "várias chamadas de pessoas, sobretudo preocupadas em tentar perceber o que teria acontecido, se poderia repetir-se o fenómeno e com consequências mais gravosas". 

É evidente que procurámos junto das entidades responsáveis recolher essa informação e logo que a obtivemos fomos comunicando à população", referiu o responsável da Proteção Civil em Amarante.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) registou hoje, pelas 17:03, um sismo de magnitude 3,6 na escala de Richter e cujo epicentro se localizou a cerca de quatro quilómetros a este-nordeste de Amarante.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera informa que no dia 6 de junho de 2017 pelas 17:03 (hora local) foi registado nas estações da Rede Sísmica do Continente, um sismo de magnitude 3.5 (Richter) e cujo epicentro se localizou a cerca de quatro quilómetros a Este-Nordeste de Amarante", informa o comunicado do IPMA.

Epicentro em Lufrei

O comandante da Proteção Civil, Hélder Ferreira, assinalou que o epicentro "terá acontecido na Rua de Entre Águas, na freguesia de Lufrei", a cerca de quatro quilómetros da sede do concelho e a 17 quilómetros de profundidade.

Tratámos de perceber se havia vítimas, feridos ou danos materiais naquela zona. Foi-nos confirmado pela junta de freguesia no local que não havia vítimas nem danos materiais. A partir daqui a nossa principal preocupação foi, de facto, tentar sossegar a população e ir prestando a informação que dispúnhamos", acrescentou.

Face à intensidade do abalo, as pessoas que se encontravam nas piscinas de Vila Meã, ainda no concelho de Amarante, foram convidadas, por precaução, a sair das instalações, situação que foi posteriormente normalizada, acrescentou a Proteção Civil.

Norte sentiu abalo

O sismo também foi sentido com alguma intensidade nos concelhos vizinhos, nomeadamente Baião, Marco de Canaveses, Felgueiras e Penafiel.

Além do abalo, ouviu-se também um som forte. Alguns relatos apontam para a existência de uma réplica, cerca de 30 minutos após o abalo principal.

Em Marco de Canaveses, os bombeiros locais saíram do quartel alarmados com a intensidade do abalo. Também nos Paços do Concelho de Baião o sismo foi sentido, deixando preocupados vários funcionários.

Alunos da Escola Secundária de Felgueiras sentiram as suas mesas de trabalho tremer.

A agência Lusa contactou os serviços de proteção civil daqueles municípios, que comunicaram não haver indicação de quaisquer danos.