O ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE), Rui Machete, disse esta segunda-feira que Portugal concedeu nas três primeiras semanas de janeiro 49 vistos «gold», que se traduzem num volume de investimento de 27 milhões de euros no país.

«2014 será [tal como em 2013] mais um ano promissor», disse o governante, lembrando que no ano passado Portugal concedeu cerca de 470 vistos para atividade de investimento, num total que rondou os 300 milhões de euros.

Os chineses lideram, de forma destacada, a lista dos cidadãos estrangeiros que recebem os chamados vistos «gold», seguindo-se cidadãos da Rússia, Brasil, Angola e África do Sul.

Rui Machete falava durante a assinatura de um protocolo sobre emissão de vistos para turistas oriundos de mercados com interesse estratégico do setor do turismo em Portugal, Rússia, China, Índia, Emirados Árabes Unidos e Colômbia.

A cerimónia contou com a presença do ministro da Economia, António Pires de Lima, que destacou a importância de serem alocados «meios e recursos para abrir o mercado nacional a um número muito considerável de novos turistas».

«Com este protocolo, o Estado agiliza, no estrito e rigoroso cumprimento de todas as regras legais de segurança, de controlo de fronteiras e de acesso ao Espaço Schengen, a emissão de vistos que possibilitem a vinda de dezenas de milhares de turistas para Portugal», disse.

Na prática, segundo o ministro, aquilo que este protocolo coloca em funcionamento é uma partilha de meios técnicos e humanos do Turismo de Portugal ao serviço desta «agenda de diplomacia económica».

Os encargos financeiros inerentes a este reforço, de acordo com Pires de Lima, serão suportados pelo Ministério da Economia.

«Quanto mais dinâmico for o setor, mais ganha a nossa economia, em geração de riqueza e em criação de emprego», sublinhou na cerimónia, que contou também com a presença do secretário de Estado da Administração Interna, João Almeida.

De acordo com os dados do ministro da Economia, na China, por exemplo, espera-se que este acordo permita um aumento significativo do fluxo turístico ¿num mercado que emite mais de 83 milhões de turistas internacionais e que é responsável pelo primeiro lugar no ¿ranking¿ de gastos turísticos no exterior.

«Sabemos que 4,5% dos turistas chineses viajam para a Europa e que Espanha representa já 10% desse mercado, cerca de 400 mil turistas», acrescentou.

Para Pires de Lima, o aumento da procura por Portugal poderá potenciar, neste caso, a existência de uma ligação aérea direta, o que ¿seria muito desejável, sendo este um fator decisivo para o crescimento do mercado¿.

O governante citou ainda um relatório da Comissão Europeia, onde se estima que em 2012, devido ao regime de vistos, os países membros do Espaço Schengen (onde se inclui Portugal) tenham perdido mais de 6,5 milhões de potenciais turistas provenientes de seis mercados emissores e onde se incluem precisamente a China, a Índia e a Rússia, relata a Lusa.