Vale e Azevedo foi expulso da Ordem dos Advogados, consta num acórdão divulgado nesta quarta-feira e ao qual a TVI teve acesso.

O Conselho de Deontologia de Lisboa da Ordem justifica «o cancelamento da inscrição como advogado» do ex-presidente do Benfica no facto de este «não possuir idoneidade moral» para o exercício da profissão.

A medida entrou em vigor a 2 de outubro de 2013.

A decisão de «cancelamento da inscrição» de Vale e Azevedo foi tomada a 08 de fevereiro deste ano, após a qual decorreu o prazo para o antigo presidente do Benfica . cargo que ocupou de 03 de novembro de 1997 a 12 de outubro de 2000 - recorrer para os tribunais administrativos.

Como Vale e Azevedo não apresentou recurso da decisão do Conselho Superior da OA, a pena aplicada pela «inidoneidade moral» transitou em julgado.

Vale e Azevedo estava suspenso por um período de 10 anos até 25 de novembro de 2015.

A suspensão foi aplicada a Vale e Azevedo em 2001, pelo Conselho de Deontologia do Conselho Distrital de Lisboa, porém o advogado recorreu para o Conselho Superior, que confirmou a suspensão em novembro de 2005.

No final do ano passado, após a extradição de Vale e Azevedo para Portugal, a 25 de novembro, foi aberto um processo de Averiguação de Idoneidade Moral no Conselho de Deontologia do Conselho Distrital de Lisboa.

O antigo presidente do Benfica, no entanto, recorreu da decisão de expulsão para o Conselho Superior, que confirmou agora a decisão de anulação da inscrição.

Em 2002, Vale e Azevdo foi condenado, no processo Ovchinnikov/Euroárea, a seis anos de prisão em cúmulo jurídico, tendo cumprido metade da pena.

Quatro anos depois, o tribunal condenou-o a sete anos e meio de prisão, no processo Dantas da Cunha.

Em 2007, foi aplicada a pena de cinco anos de prisão, a Vale e Azevedo, no caso Ribafria.

A 29 de maio de 2009, a 4.ª Vara Criminal de Lisboa fixou a pena única de 11 anos e seis meses de prisão efetiva ao antigo presidente do Benfica, que esteve em Londres durante quatro anos e meio, antes da extradição para Portugal.

Em julho deste ano, Vale e Azevedo foi condenado a 10 anos de prisão efetiva, em cúmulo jurídico, pela apropriação indevida de mais de quatro milhões de euros do Benfica, branqueamento de capitais, abuso de confiança e falsificação de documento.