A União Europeia alertou esta terça-feira que dois inseticidas amplamente utilizados, um dos quais já implicado no declínio da população de abelhas, podem ser uma ameaça para a saúde humana.

Os inseticidas acetamipride e imidaclopride, da classe dos neonicotinoides, «podem afetar o desenvolvimento do sistema nervoso humano», anunciou a Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar, naquela que é a primeira vez que é feita esta ligação.

Em resultado desta descoberta, os especialistas propõem que «algumas recomendações quanto aos níveis de exposição aceitáveis sejam reduzidas enquanto são realizadas mais investigações para garantir informações mais fidedignas».

Aquele organismo da União Europeia indicou que a sua opinião se baseia em pesquisas recentes e em informações existentes sobre o potencial destes inseticidas para «danificar o sistema nervoso humano em desenvolvimento, em particular o cérebro».

Os estudos sugeriram que estes produtos «podem afetar negativamente o desenvolvimento de neurónios e de estruturas cerebrais com funções como a aprendizagem e a memória», declara a autoridade em comunicado.

Já este ano, a União Europeia restringiu o uso de uma série de inseticidas produzidos pela suíça Syngenta e pela alemã Bayer, face a preocupações de que eram responsáveis por um declínio catastrófico na população de abelhas.

As produtoras destes químicos insistem que os seus produtos não são responsáveis e anunciaram a intenção de processar Bruxelas.