O Hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra) afirma que já acatou as indicações da Entidade Reguladora da Saúde referentes a uma doente que aguardou dois anos por uma colonoscopia, não deixando qualquer utente em situação semelhante mais de três meses sem exame.

ERS: doente que esperou dois anos por colonoscopia foi mal acompanhada

Em declarações à agência Lusa, fonte oficial do hospital explicou que atualmente existe já um sistema informático que não deixa que casos semelhantes possam ficar mais de 90 dias sem a realização de colonoscopia.

O sistema passa por emitir um aviso a todos os médicos gastrenterologistas quando se aproxima o limite de três meses de um doente a aguardar exame.

Em janeiro deste ano, o Diário de Notícias divulgava um caso de uma utente com cerca de 60 anos que descobriu um cancro em estado grave depois de dois anos à espera de uma colonoscopia.

A este propósito, a Entidade Reguladora da Saúde (ERS) veio agora considerar que o Hospital Fernando Fonseca não acautelou o devido acompanhamento à doente, que deveria ter sido tratada «com correção técnica e em tempo útil».

Nesta decisão, a que a Lusa teve acesso, a ERS defende que o hospital deve garantir a prestação de cuidados de saúde protegendo os direitos e interesses legítimos dos utentes, mediante a sua capacidade ou recorrendo a entidades externas.

Fonte oficial do hospital indicou que «todas as indicações da ERS foram já acatadas».