A Polícia de Segurança Pública (PSP) não vai proibir os «encontros» convocados nas redes sociais, depois dos desacatos ocorridos no centro comercial Vasco de Gama, na quarta-feira, e que resultaram no ferimento de cinco polícias e na detenção de quatro jovens.

O Comissário da PSP Rui Costa, em declarações à TVI24, garantiu que «a PSP nada tem a obstar sobre a realização de encontros entre jovens até porque já acontecem há algum tempo».

Contudo, o responsável frisou que depois dos acontecimentos desta quarta-feira a PSP vai estar mais atenta, ainda que este «tipo de eventos não seja uma prioridade adicional para a PSP».

«Aquilo que podia ter sido só mais encontro de jovens acabou em distúrbios. Estavam cerca de 600 jovens nas imediações do centro comercial Vasco da Gama e do pavilhão de Portugal, mas apenas um número muito reduzido entrou no centro comercial e um número ainda menor foi responsável pelos desacatos», explicou a mesma fonte da PSP à TVI24.

Sobre os próximos «meetings» agendados («meets» na abreviatura utilizada nas redes sociais), o Comissário Rui Costa adiantou que a PSP só irá atuar «se for necessário».

«Os eventos são públicos, mas embora a PSP os possa analisar não pode enviar efetivos só porque os jovens se vão encontrar. Atuaremos se necessário e não de forma desmobilizadora porque os jovens têm todo o direito de se encontrar. Até onde pudemos apurar este não foi o primeiro encontro de jovens através das redes sociais e todos os anteriores decorreram de forma pacífica», justificou.

Uma busca pelas redes sociais permite averiguar que há já duas convocatórias em curso. Uma será dia 3 de setembro no centro comercial Oeiras Parque e outra está prevista novamente para o Vasco da Gama, dia 7 do mesmo mês.

Duas raparigas e dois rapazes detidos

Os quatro jovens detidos na sequência dos desacatos ocorridos no Vasco da Gama foram ouvidos esta quinta-feira em tribunal.

As duas raparigas foram ouvidas no Tribunal de Instrução Criminal e indiciadas por posse de arma branca. Ficaram sujeitas a termo de identidade e residência, além de apresentações periódicas uma vez por semana.

Os dois rapazes foram ouvidos no Tribunal de Pequena Instância e estão indiciados por resistência e coação a polícia. Por se tratar de um processo sumário, o julgamento ficou marcado para às 14:30 de segunda-feira, 25 de agosto.