A proposta de novos programas de Matemática para o ensino secundário divide os representantes da disciplina, com a Associação de Professores a achá-la inexequível e a Sociedade de Matemática a considerá-la «muito positiva».

Para a presidente da Associação de Professores de Matemática, as propostas do Governo para o novo programa da disciplina no ensino secundário não faz sentido pela complexidade e extensão que apresenta.

«Não se admite que um programa - que se justifica porque o 12.º ano se tornou num nível obrigatório para os alunos - mais difícil, mais inacessível, mais formalista», disse Lurdes Figueiral em declarações à agência Lusa.

Segundo refere a representantes destes professores, o programa proposto não só «retoma conteúdos matemáticos que foram tirados dos programas do ensino secundário em Portugal e em todos os países de referência», por se revelarem «um fracasso total», como é mais extenso do que o que é ensinado agora.

«O programa atual já era extenso e sofreu um corte em 2006 em relação ao que era inicialmente porque os professores não o conseguiam cumprir», lembrou.

Por outro lado, acrescentou Lurdes Figueiral, a proposta mostra «um programa com uma abordagem extremamente formalista» e está a provocar «manifestações de horror» por parte dos professores.

Sublinhando que a equipa do Ministério da Educação mostra «um autismo» porque «não ouve ninguém nem consulta ninguém», a presidente da Associação de Professores de Matemática defendeu que a proposta do novo programa vai acabar por cair.

«Não pelos pareceres, não porque o Ministério ouça os professores, mas porque a realidade vai mostrar que isto é inexequível», concluiu.

Já o presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática (SPM)tem opinião diferente, considerando que o novo programa proposto «parece muito positivo».

«Sabia que estavam a ser preparados novos programas de Matemática, mas só tive conhecimento ontem [na segunda-feira], não tive tempo para olhar com detalhe, mas parece-me muito positivo», salientou à Lusa Miguel Abreu.

O presidente da SPM lembrou que a equipa que agora elaborou o documento colocado em consulta pública é a mesma que já tinha preparado anteriormente as metas curriculares e o novo programa do ensino básico.

«A SPM já tinha considerado o trabalho desta equipa muito positivo. Tenho boas expetativas quanto às novas propostas, mas temos de analisar com calma», disse, acrescentando que irá ser emitido, ainda durante este mês, um parecer detalhado sobre as propostas.

O Ministério da Educação e Ciência colocou as propostas de novos programas de Português, Matemática e Física e Química A do ensino secundário em consulta pública na segunda-feira com o objetivo de contribuir «para a coerência de todo o percurso escolar dos alunos», anunciou em comunicado.

Em junho deste ano o Ministério já tinha homologado o novo Programa de Matemática do ensino básico, apesar das críticas dos professores da disciplina, que o consideraram «um retrocesso».

O período para a consulta pública das propostas de reforma dos currículos das quatro disciplinas do ensino secundário ¿ cuja apresentação está disponível no site da Direção Geral de Educação ¿ termina no dia 4 de dezembro.