O Ministério Público da Comarca de Braga instaurou um inquérito crime à morte do jovem de 15 anos que se suicidou em Paredes, Braga. O aluno da EB 2.3 de Palmeira terá cometido suicídio e os colegas do jovem alegam que era vítima de bullying.

«Encontra-se em curso nos serviços do Ministério Público da comarca de Braga um inquérito de natureza criminal iniciado na sequência da morte de um jovem que frequentava a EB 2.3 de Palmeira, Braga, com vista à averiguação da causa da morte do mesmo. A investigação encontra-se numa fase inicial», adiantou ao tvi24.pt, fonte da PGR em resposta a um pedido de esclarecimento.

A GNR descartou o bullying como uma das causas que levou o jovem de 15 anos a pôr termo à vida, no último sábado. «A GNR fez um conjunto de diligências e, para já, descarta a possibilidade de bullying», assegurou fonte da Guarda, em declarações ao tvi24.pt.

A PGR não especifica se existem indícios de bullying, mas adianta que «no âmbito desta investigação, e caso sejam encontrados elementos que o justifiquem os mesmos serão comunicados também ao Tribunal de Família e Menores de Braga, tendo em vista a instauração de procedimento adequado», lê-se na nota.

Esta terça-feira, a Inspeção-Geral de Educação e Ciência anunciou a abertura de um inquérito ao caso. «Queremos apurar os factos», disse na terça-feira o ministro da Educação, classificando o «bullying» como «um fenómeno intolerável» nas escolas.

A Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Braga que acompanhou o jovem e a família «entre março de 2012 e setembro de 2012» vai seguir também o irmão menor do rapaz de 15 anos que se suicidou no último sábado.

«Dado que o jovem e os irmãos já tinham sido seguidos por esta Comissão e como ainda existe um irmão menor, e posto o que aconteceu agora, estamos a ver qual a situação do irmão menor», revelou ao tvi24.pt, Nélia Pereira, presidente da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Braga. A mesma fonte afirma ainda que as razões que conduziram ao acompanhamento do jovem e da família em 2012 «nada tiveram a ver com a vida escolar ou com bullying».

Os jornais «Correio da Manhã» (CM) e «Jornal de Notícias» (JN) desta quarta-feira contam, citando colegas, que, na quinta-feira antes de o jovem se suicidar, ele foi colocado em tronco nu no recreio, baixaram-lhe as calças e deram-lhe palmadas no rabo.

«Ele ficou em cuecas, apanhou a roupa , vestiu-se e foi para as aulas sem dizer nada», conta um colega ao JN. Terá sido esse mesmo colega a denunciar a situação a um professor.

À TVI o pároco de Adaúfe confirmou que o jovem era vítima de maus tratos pelos colegas e pais de alguns alunos também denunciaram a existência de situações de humilhação ao rapaz.