A contratação de médicos cubanos custou cerca de 12 milhões de euros ao Serviço Nacional de Saúde nos últimos seis anos.

O valor é divulgado pelo jornal «i», que teve acesso aos acordos realizados entre a Administração Central dos Sistemas de Saúde e os Serviços Médicos Cubanos.

A medida foi lançada em 2009, pelo governo socialista de José Sócrates, para resolver a carência de médicos de família.

Os documentos revelam que, no início do protocolo, o Ministério da Saúde pagava, todos os meses, 5.900 euros por cada médico cubano, um valor que nenhum médico do SNS recebe como salário base.

Atualmente, o valor pago é de 4230 euros e, em maio, a tutela anunciou a chegada de mais 52 médicos cubanos.

O jornal «i» garante, no entanto, que os profissionais cubanos só recebem menos de um quarto do valor pago pelo Estado português.

O restante fica nas mãos de uma empresa estatal de Cuba e serve para financiar formação e o serviço de saúde cubano.