O mês de junho de 2014 foi o mais quente desde que começaram os registos das temperaturas, em 1880, indicou a agência norte-americana para os Oceanos e a Atmosfera (NOAA, na sigla em inglês).

A temperatura média combinada da superfície dos solos e dos oceanos atingiu em junho os 16,22 graus Celsius, o que representa 0,72°C acima da média deste mês no século XX, superando o último máximo de junho, que fora estabelecido em 2010.

«A maior parte do planeta enfrenta temperaturas médias mensais superiores à média, com recordes de calor nas regiões do sudeste da Groenlândia, do norte da América do Sul ou ainda das zonas do este e centro de África, bem como das partes do sul e sudeste da Ásia», especificou a NOAA, em comunicado citado pela Lusa.

A última vez que a temperatura num mês de junho foi inferior à média do mês do século XX foi em 1976.

A temperatura da superfície dos oceanos registou mesmo em junho último o valor mais alto desde sempre, batendo o recorde, que datava de 1998, salientou também a NOAA.

Os gelos do Ártico derreteram mais do que era habitual em junho, caindo para um nível inferior nem 05% à média do período 1981-2010.