Cientistas espanhóis descobriram que o consumo de melatonina ajuda a regular o aumento de peso porque estimula o surgimento de «gordura bege», um tipo de células gordas que queimam as calorias em vez de as armazenarem.

Ao contrário do tecido adiposo branco, que armazena as calorias e provoca um aumento de peso, a gordura bege (também conhecida como «gordura boa ou adelgaçante») ajuda a regular o controlo do peso e, assim, os seus benefícios metabólicos, informou hoje a Universidade de Granada, segundo a agência noticiosa espanhola EFE.

No estudo, publicado na revista «Journal of Pineal Research» e citado pela Lusa, participaram investigadores do Instituto de Neurociências da Universidade de Granada, o Hospital Carlos III de Madrid e o Centro Científico de Saúde da Universidade do Texas (Estados Unidos).

Os investigadores analisaram os efeitos da melatonina sobre a obesidade, a dislipidemia (nível elevado de gordura no sangue), a hipertensão arterial e a diabetes mellitus tipo 2 associados à obesidade em ratos jovens obesos diabéticos, um modelo experimental da síndrome metabólica.

Os resultados obtidos levam a pensar que o consumo de melatonina não só promove o aparecimento da gordura bege nos ratos obesos, como aumenta a sua presença nos animais magros usados como grupo de controlo.

A melatonina é uma hormona natural segregada pelo corpo humano e que aumenta os seus níveis naturalmente durante a noite (no escuro).

Também se encontra em pequenas quantidades em algumas frutas e vegetais como a mostarda, as bagas de Goji, as amêndoas, sementes de girassol, cardamomo, erva-doce, coentros e cerejas.

Dormir no escuro e consumir aqueles alimentos poderá ajudar a controlar o peso e a prevenir as doenças cardiovasculares associadas à obesidade e à dislipidemia, segundo os investigadores.