A Direção-geral da Saúde (DGS) revelou, esta quarta-feira, que está a criar uma norma nacional com orientações sobre a preparação do leite em pó para bebés, dirigida a profissionais de saúde, pais e instituições.

Bárbara Menezes, da divisão de saúde infantil e juvenil da DGS, disse hoje num seminário em Lisboa que está a ser elaborada uma norma com regras e instruções para preparar e manusear leite em pó para lactentes, frisando que estes produtos não são estéreis e podem conter microorganismos patogénicos.

Enquanto esta norma não está criada, Bárbara Menezes lembrou que a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que o leite em pó para bebés seja preparado com água a pelo menos 70 graus, precisamente porque as fórmulas não são estéreis.

A responsável adiantou ainda que a água engarrafada também não é estéril, daí o conselho para que os leites sejam preparados com água fervida e que todos os equipamentos envolvidos na preparação sejam esterilizados.

Bárbara Menezes afirmou também que todas as instituições, como hospitais ou creches, devem definir orientações escritas para a preparação de fórmulas infantis, que devem estar expostas e visíveis.

Érica Lopes, enfermeira e organizadora do seminário, que decorre hoje em Lisboa, considera que este tema dos leites artificiais é pouco divulgado em Portugal, mesmo entre os profissionais de saúde.

Numa orientação disponível no seu site, a OMS avisa que os processos de fabrico dos leites em pó não são estéreis, podendo estas fórmulas ficar contaminadas com duas bactérias: Enterobacter sakazakii e Salmonella entérica.

Segundo uma avaliação de risco realizada pela OMS e pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação (FAO), em 2006, os leites em pó nunca devem ser preparados com água a uma temperatura inferior a 70 graus.

Apesar disso, alguns fabricantes indicam, nos rótulos dos seus produtos, que o leite pode ser preparado com água a 30 ou a 40 graus.

«Quando se prepara a fórmula com água a menos de 70 graus, a temperatura não é suficiente para inativar por completo» os micro-organismos nocivos, refere a OMS nas suas orientações, recomendando que as instruções dos fabricantes sejam revistas.

Em Portugal, Ricardo Assunção, outro dos organizadores do seminário de hoje, realizou em 2008 um estudo sobre a presença de micro-organismos nas fórmulas de leite na região de Lisboa, tendo confirmado a ideia de que estes leites em pó não são produtos estéreis.

Embora nas amostras analisadas tenha encontrado níveis de contaminação muito reduzidos, detetou também a presença de uma bactéria ambiental que já esteve implicada em surtos associados a cuidados intensivos neonatais.

No final do estudo realizado na Universidade Técnica de Lisboa, Ricardo Assunção recomenda que as mães que não possam ou não queiram amamentar sejam alertadas para o facto de as fórmulas infantis em pó não serem estéreis e que determinados agentes podem ser responsáveis por situações graves de doença.

Além disso, é ainda sugerido que se melhore a rotulagem dos produtos e que se desenvolvam diretrizes transversais para preparação e uso destes leites em pó.