Cerca de 250 milhões de crianças no mundo não estão a aprender a ler, revela um relatório da UNESCO divulgado nesta quarta-feira.

Um ensino inadequado em todo o mundo deixou um legado de analfabetos mais generalizado do que se pensava inicialmente, avança o documento, com uma em cada quatro crianças nos países pobres a não conseguir ler uma frase, percentagem que se elevar para 40% nos países da África Subsaariana.

«Qual é o sentido da educação se as crianças após cinco anos na escola saem sem as habilitações que precisam?», questiona Pauline Rose, responsável pelo relatório de cerca de 500 páginas sobre Educação Global.

Num terço dos países analisados, menos de três quartos dos professores do ensino primário existentes foram treinados para normas nacionais, enquanto 120 milhões de crianças em idade primária em todo o mundo tinham pouco ou nenhuma experiência escolar, de acordo com o relatório.

«Nos últimos dez anos, as pessoas que vivem nos grupos mais marginalizados continuaram a ser privadas de oportunidades educacionais», frisou Pauline Rose.

Trinta e sete países monitorizados pelo relatório estão a perder pelo menos metade do montante que gastam em educação primária, porque as crianças não estão a aprender, revela a UNESCO.

Em países desenvolvidos como França, Alemanha ou Reino Unido, os filhos de imigrantes ficam atrás dos seus pares, realizando muito pior as metas mínimas de aprendizagem. Também grupos indígenas na Austrália e Nova Zelândia enfrentam problemas semelhantes, revela o relatório.

«O acesso não é a única crise - a má qualidade está a atrasar a aprendizagem daqueles que conseguem ir à escola», escreve a diretora geral da UNESCO, Irina Bokova, no prefácio do relatório.

Cerca de 250 milhões de crianças em todo o mundo não aprendem o básico, segundo o documento, que lembra que em 2011 havia 57 milhões de crianças fora da escola, metade das quais em países afetados por conflitos.

Para ser alcançada uma melhoria, são necessários «professores competentes», argumenta o relatório, chamando os governos «a formar e a colocar os melhores disponíveis para aqueles que mais precisam«.

Os professores devem receber formação inicial que combine «o conhecimento dos assuntos a serem ensinados com o conhecimento dos métodos de ensino», bem como formação sobre «como concentrar a ajuda às crianças desfavorecidas».

O relatório recomenda ainda que os professores sejam colocados «em áreas onde a ajuda é mais necessária», criando incentivos para que se comprometa a educação a longo prazo, como «um salário que corresponda, pelo menos, às suas necessidades básicas, boas condições de trabalho e uma oportunidade de carreira».