O número de medicamentos utilizados aumentou 1,5 % em 2014 face ao ano anterior, estimando-se a dispensa de dois milhões de embalagens, com a comercialização de genéricos a crescer para um quota de 46,3 % de unidades dispensadas, segundo o Infarmed.

De acordo com um comunicado de imprensa daquela entidade sobre o balanço de 2014, registou-se a dispensa de mais medicamentos que em 2013, com a utilização prevista de 2 milhões de embalagens de medicamentos, o que equivale a um aumento em 1,5% face ao ano anterior, «a preços mais baixos».

Relativamente aos encargos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) no mercado de ambulatório, incluindo subsistemas, continuam em linha com os de 2013, rondando os 1.160 milhões de euros.

Por outro lado, «o esforço dos cidadãos» com os medicamentos teve uma redução, estimando-se que os encargos sejam de 696 milhões de euros, ou seja, menos 7 milhões de euros em relação ao ano passado.

Segundo o Infarmed, a comercialização de genéricos cresceu, face a 2013, «para uma quota de 46,3% de unidades de genéricos dispensadas».

«A utilização destes medicamentos permitiu um potencial de poupança de 112 milhões de euros no período de janeiro-setembro, estimando-se que atinja os 150 milhões de euros até ao final do ano», é referido no comunicado.

No mercado hospitalar prevê-se uma despesa de 969 milhões de euros, o que representa uma redução de 5,8 milhões de euros face a 2013 para o SNS.

Em 2014 foram ainda aprovadas «22 substâncias ativas para utilização em meio hospitalar, representando um aumento de 215% face a 2013, e 22 substâncias ativas na área da comparticipação».

«No período compreendido entre janeiro e setembro de 2014, a inovação já representava para o SNS um investimento de 142 milhões de euros, valor acima dos 119 milhões de euros investidos pelo SNS em todo o ano de 2013», lê-se na nota do Infarmed.

Quanto à «ação inspetiva», em 2014 realizaram-se 1.358 inspeções a farmácias, distribuidores de medicamentos, fabricantes de medicamentos, entidades do circuito dos produtos cosméticos, entre outros, das quais resultaram 91 processos de contraordenação instaurados e 11 participações à Polícia Judiciária.