Mais de 10.600 doentes com hepatite C ficaram curados nos últimos três anos em Portugal com os medicamentos inovadores para a doença, com a percentagem de cura a continuar acima dos 96%, segundo dados oficiais.

Números da Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) mostram que foram realizados mais de 20 mil tratamentos no Serviço Nacional de Saúde desde que foi aprovado o primeiro medicamento de nova geração para a hepatite C.

“A percentagem de sucesso mantém-se elevada (96,6%), tendo ficado curados 10.664 doentes dos 11.041 que já tiveram resultados após o tratamento”, refere a Autoridade do Medicamento, em vésperas do Dia Mundial da Hepatite, que se assinala no sábado.

Existem atualmente oito medicamentos distintos para tratar a hepatite C e os fármacos mais recentes e inovadores permitem tratamentos de menor duração, havendo ainda outros medicamentos em avaliação.

A decisão, tomada em 2015, de tratar de forma universal e gratuita todos os doentes com hepatite C veio permitir que os tratamentos fossem iniciados em fases mais precoces da doença.

Jorge Rodrigues, perito do Infarmed, sublinhou à agência Lusa que “os doentes estão a ser tratados mais cedo” e que o facto de haver pouca espera entre o diagnóstico e tratamento leva a que comecem a ser tratados em fases mais iniciais de doença hepática.

De acordo com os dados do Infarmed, há três anos eram 57% os doentes em tratamento que estavam em estádios avançados da doença, com fibrose grave ou cirrose. Atualmente, em 2018, estes dados inverteram-se: mais de 54% dos doentes estavam em estádios menos avançados e 45% é que se encontravam em fase mais avançada da doença.

O universo dos doentes potencialmente abrangidos pelos tratamentos tinha sido definido em 13 mil pessoas em 2015, mas foi já ultrapassado, com mais de 20.300 tratamentos realizados no SNS.

Segundo Jorge Rodrigues a estimativa de 13 mil doentes tinha sido avançada ao Infarmed pelos hospitais há cerca de três anos, aquando das negociações com as farmacêuticas para o Estado dar acesso universal aos novos fármacos.

Entretanto, acrescenta o perito, novos doentes foram sendo diagnosticados e são logo dirigidos para tratamento, o que fez ultrapassar já os 20 mil tratamentos realizados.

Do universo de doentes registados em Portugal, três em cada quatro são homens e a idade média é de 50,4 anos. De todos os doentes, 22% estão também infetados com o vírus do VIH/sida.

A hepatite C é uma inflamação do fígado provocada por um vírus, que quando crónica, pode conduzir à cirrose, insuficiência hepática e cancro.