O Ministério da Educação ordenou o encerramento de um infantário com 50 crianças, na Amadora, por terem sido detetadas «irregularidades graves» pela Inspeção Geral de Educação e Ciência (IGEC).

Sem precisar o tipo de irregularidades que foram detetadas, fonte do Ministério da Educação confirmou esta quinta-feira à agência Lusa que a proposta de encerramento foi feita à Direção Geral de Estabelecimentos Escolares (DGEstE) e que a notificação para o fecho do estabelecimento foi feita a 14 de janeiro.

«No dia 29 de janeiro é rececionado pela Direção de Serviços de Lisboa e Vale do Tejo da DGEstE um ofício remetido pela Direção do Infantário Criativo com a informação de que iriam encerrar a 31 de janeiro. No dia 3 de fevereiro, na sequência da verificação habitual nestes casos, observou-se que o mesmo se encontrava encerrado», adiantou o Ministério tutelado por Nuno Crato.

Localizado na Rua Elias Garcia, na Amadora, o «Infantário Criativo» era frequentado por 50 crianças, entre os 3 e os 5 anos.

De acordo com notícia avançada pela Rádio Renascença, que cita uma ex-funcionária do infantário, o estabelecimento não tinha alvará e funcionava num apartamento sem condições.

A notícia adianta ainda que os pais pagavam 100 euros por mês, mais 12 euros para alimentação.