O presidente da Liga de Bombeiros Portugueses quer que as viaturas de emergência possam contar com enfermeiros e médicos dos centros de saúde para colmatar as faltas de tripulação que levaram duas delas a parar recentemente.

A posição será defendida esta quarta-feira numa reunião que a Liga dos Bombeiros terá com o presidente do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM). «Vamos [a Liga] defender, junto do presidente do INEM, a possibilidade de os enfermeiros e também os médicos dos centros de saúde poderem vir a integrar as tripulações das VMER (Viaturas Médicas de Emergência e Reanimação) das corporações para evitar situações como as que aconteceram em Évora e em Grândola», disse à agência Lusa o presidente da Liga de bombeiros.

Jaime Soares tinha avançado à TSF que ia propor esta possibilidade ao presidente do INEM hoje à tarde numa sessão de apresentação e cumprimentos.

O responsável disse à Lusa que a proposta da Liga tem por objetivo evitar situações como a que aconteceu no domingo em Évora, quando a VMER do Hospital de Évora não conseguiu acorrer a um acidente perto de Reguengos de Monsaraz, por falta de tripulação.

«A Liga defende que os médicos e os enfermeiros podem ter a sua formação e depois fazer um curso rápido de socorrismo. Os bombeiros foram-se especializando porque o país precisa», salientou.

O presidente da Liga lembrou também que a grande cobertura dos serviços do INEM assenta estruturalmente nos bombeiros. «Não temos dúvidas que estas situações causam pânico às populações, e causam instabilidade e mal-estar, [mas] podem mudar. Com os mesmos recursos podemos mudar aquilo que temos», disse.

Jaime Soares adiantou ainda que, no encontro com o presidente do INEM, vai também pedir a abertura de um inquérito ao que se passou em Grândola, salientando que a situação tem de ser bem investigada.

No início do mês, o INEM terá, alegadamente, recusado o transporte ao hospital de um jovem de Grândola com uma ferida profunda na cara que terá entrado no edifício dos bombeiros a pedir ajuda.

O INEM assegurou posteriormente que não recusou socorro ao jovem de Grândola, mas apenas o transporte gratuito para o hospital.

Contactado pela Lusa, fonte do INEM escusou-se a fazer comentários sobre a proposta do presidente da Liga de Bombeiros e sublinhou que o encontro entre os dois responsáveis vai servir para estes se conhecerem, uma vez que o conselho diretivo do instituto iniciou funções há pouco tempo.