Os feridos que continuam hospitalizados na sequência dos incêndios de Pedrógão Grande são 19, sendo quatro deles bombeiros, de acordo com dados divulgados esta quinta-feira à agência Lusa por fonte governamental.

O incêndio que deflagrou a 17 de junho em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos.

De acordo com os dados recolhidos esta quinta-feira de manhã pela Administração Regional de Saúde do Centro e facultados pelo Governo à agência Lusa, continuam hospitalizados 19 feridos, quatro dos quais bombeiros.

Na quarta-feira, o PSD exigiu ao Governo que disponibilize informação atualizada sobre o estado de saúde dos bombeiros internados e o número atual de feridos que permanecem hospitalizados na sequência dos incêndios de Pedrógão Grande.

Em declarações à agência Lusa, a deputada do PSD Teresa Morais explicou que o partido entregou esta quinta-feira no Parlamento uma pergunta que se destina à ministra da Administração Interna e ao ministro da Saúde porque é "inaceitável que o Governo não preste regularmente informação ao país de modo atualizado".

Na segunda-feira, o comandante dos Bombeiros Voluntários de Castanheira de Pera, José Domingues, disse à agência Lusa que dois voluntários da corporação, pai e filho, continuam internados no Hospital de Santa Maria (Lisboa), sendo que o operacional mais novo poderá sair do coma induzido se não houver nada em contrário. O estado de saúde do outro operacional evolui favoravelmente.

José Domingues adiantou ainda que o quadro clínico do operacional internado no Hospital de São João (Porto) é estacionário: "Não há alterações significativas".

Já em relação à operacional internada em Coimbra, e que foi submetida recentemente a uma intervenção cirúrgica, continua a evoluir favoravelmente.

No briefing do Conselho de Ministros desta quinta-feira, questionada pela agência Lusa sobre o número de feridos que atualmente ainda estão internados e o estado de saúde dos bombeiros hospitalizados, a ministra da Presidência, Maria Manuel Leitão Marques, explicou então não ter esse número disponível, mas comprometeu-se a "recolhê-lo e fazê-lo chegar tão breve quanto possível".