Os cinco militares feridos esta segunda-feira no incêndio rural do concelho de Mourão, distrito de Évora, terão sido apanhados pelas chamas quando o vento mudou de direção, afirmou o agricultor que socorreu três dos feridos.

Carlos Medinas contou à agência Lusa que “o helicóptero aterrou e os militares saíram para começar a combater o fogo”, mas, depois de a aeronave ter levantado voo novamente, o vento virou-se “contra eles e eles começaram a fugir”.

Como eu também estava por perto, comecei a fugir também na carrinha, por pouco não ia ficando também lá no incêndio, mas eles chamaram-me e pediram-me socorro e eu levei-os em cima da carrinha e saí daquele local com três”, relatou.

Eu trouxe três porque foram aqueles que fugiram em direção à carrinha”, acrescentou, indicando que os outros dois militares feridos foram socorridos mais tarde.

O agricultor alentejano afirmou ainda que, após se afastar das chamas, seguiu na carrinha com os três militares da GNR feridos em direção a Mourão quando foi informado pelos bombeiros de que já havia ambulâncias a caminho do local.

Carlos Medinas, dono de um terreno situado na zona onde lavravam as chamas, realçou que, quando soube do incêndio, dirigiu-se para o local para tentar “salvaguardar” a sua propriedade.

Monte do Canhão

O incêndio rural, numa área de pasto, deflagrou por volta das 16:30, no Monte do Canhão, no concelho de Mourão (Évora), e foi considerado “dominado” às 18:57, disse à Lusa o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Évora.

Cinco elementos do Grupo de Intervenção Proteção e Socorro (GIPS) da GNR sofreram queimaduras no combate às chamas, de acordo com um comunicado divulgado esta noite pela Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

O combate às chamas mobilizou 74 operacionais, apoiados por 25 viaturas e cinco meios aéreos.

Dos cinco feridos, todos homens, três sofreram queimaduras consideradas “graves”, enquanto os outros dois “foram assistidos no local e não necessitaram de mais cuidados”, revelou à Lusa fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

A presidente da Câmara de Mourão, Maria Clara Safara, precisou à Lusa que os militares da GNR feridos pertencem à equipa do GIPS sediada no vizinho concelho de Moura, no distrito de Beja, e integravam a equipa do meio aéreo que participava nas operações de combate às chamas. Porém, não soube explicar como foram atingidos pelas chamas.

A autarca acrescentou ainda que o incêndio começou junto à fronteira com Espanha e que o combate envolveu meios portugueses e espanhóis.