Três homens de 43, 63 e 79 anos, foram identificados pela GNR de Castelo Branco pelo crime de incêndio florestal nos concelhos de Belmonte e da Covilhã. 

Segundo informa aquela força de segurança, "as identificações dos suspeitos surgiram na sequência da realização de queimadas que acabaram por se descontrolar, resultando em incêndios florestais que afetaram zonas de pasto, mato e pinhal, obrigando à intervenção dos bombeiros".

As queimadas resultaram em incêndios que queimaram mais de dois hectares.

Os suspeitos foram constituídos arguidos e sujeitos à medida de coação de termo de identidade e residência. 

Um detido em Resende

A GNR anunciou a detenção de um homem, de 40 anos, suspeito de ter ateado um incêndio florestal na sequência de uma queimada sem licenciamento, em Resende, no distrito de Viseu.

"No seguimento de uma ação de patrulhamento, no âmbito da Operação Floresta Segura, os militares deslocaram-se ao local onde deflagrava um incêndio resultante de uma queimada sem licenciamento, a qual se descontrolou, tendo consumido uma área de um hectare de mato e carvalhos", refere a GNR, em comunicado.

A detenção foi feita pelo posto de Resende, na segunda-feira, tendo o homem ficado com termo de identidade e residência.

A GNR esclarece que "a realização de queimadas só é permitida fora do período crítico e desde que o índice de risco temporal de incêndio seja inferior ao nível elevado".

É obrigatório "o licenciamento na respetiva câmara municipal ou pela junta de freguesia, se a esta for concedida delegação de competências, na presença de técnico credenciado em fogo controlado ou, na sua ausência, de equipa de bombeiros ou de equipa de sapadores florestais", acrescenta.