Três homens, de 27, 33 e 60 anos, residentes em Boticas, Chaves e Vila Pouca de Aguiar, distrito de Vila Real, foram identificados pela GNR por suspeitas de crime de incêndio florestal, disse hoje à Lusa fonte policial.

Segundo a fonte, o Núcleo de Proteção Ambiental (NPA) da GNR de Chaves identificou um homem de 33 anos, residente neste concelho de Trás-os-Montes, pela presumível autoria do fogo que deflagrou na localidade de Redondelo, Chaves, a 10 de agosto, pelas 21:30.

As chamas consumiram uma área de 0,8 hectares de mato.

O suspeito, desempregado, tem já antecedentes criminais pela prática do mesmo crime.

A GNR de Boticas e o Núcleo de Investigação de Crimes e Contra Ordenações Ambientais (NICCOA) identificaram um presumível responsável, de 27 anos, desempregado, pelo fogo na aldeia de Alturas do Barroso, Boticas, que deflagrou a 01 de setembro e consumiu dois hecatres de mato.

Um homem de 60 anos, igualmente no desemprego, foi também identificado por esta força policial por suspeitas da autoria do fogo na localidade de Tresminas, Vila Pouca de Aguiar, que devastou 85 hectares de pinhal (pinheiro bravo).

Em 2013, o Comando Territorial da GNR de Vila Real já identificou 76 pessoas e deteve uma pessoa por suspeitas da autoria de fogos florestais.