Os incêndios em São Pedro do Sul, com origem em Arouca, têm nesta noite vários quilómetros de frente e a maioria dos bombeiros que, desde terça-feira, combatem as chamas são voluntários e estão exaustos, alertou o presidente da autarquia local, em entrevista à TVI24.

Vítor Figueiredo é o presidente da Câmara Municipal de São Pedro do Sul e está "desesperado" com o avançar das chamas e a falta de meios. 

"Não estamos a conseguir salvar a nossa mata florestal. Temos 16 quilómetros de frente ativa que estão a destruir as nossas montanhas mágicas", relatou à agência Lusa o autarca que esta madrugada permanecia perto dos fogos.

Em São Pedro do Sul, a grande maioria dos bombeiros que combatem as chamas são voluntários. 

"São pessoas que têm os seus empregos, que é o seu ganha pão, mas que têm estado sempre aqui, quando não estão a trabalhar. Hoje de manhã, quando cheguei ao terreno, encontrei homens que tinham passado toda a noite a combater as chamas", lamentou o autarca, salientando o trabalho de quem não vai à cama ou dorme apenas algumas horas para estar presente na defesa da floresta.

Segundo Vítor Figueiredo, dos cerca de 150 bombeiros das três corporações da terra que estão a combater as chamas "apenas 18 são contratados, os restantes são todos voluntários".

A agravar esta situação, diz, só na sexta-feira chegaram os primeiros meios aéreos para ajudar a combater os fogos. Vítor Figueiredo espera que no sábado os aviões regressem, mas sempre vai dizendo que "já chegam tarde".

"Não podemos estar todos os anos a falar das mesmas coisas. Todos os anos ouço a mesma conversa sobre as matas florestais e sobre os incêndios", lamentou.