Os meios operacionais de combate a incêndios florestais vão ser reduzidos a partir de hoje, passando a estar no terreno 5.323 elementos, 1.247 veículos e 24 meios aéreos.

A fase «Delta» de combate a incêndios florestais, período com risco moderado, começa hoje e prolonga-se até 31 de outubro, e sucede ao período crítico de fogos, que terminou na terça-feira.

Durante a fase «Charlie», que decorreu entre 01 de julho e 30 de setembro, estiveram mobilizados 9.697 operacionais, 2.027 veículos e 49 meios aéreos, além dos 237 postos de vigia da responsabilidade da GNR.

O relatório provisório de incêndios florestais do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) indica que, entre 01 de janeiro e 15 de setembro, registaram-se 6.958 ocorrências de fogo, o menor número em 10 anos, depois de em 2007 se terem verificado 9.852.

Em comparação com o mesmo período de 2013, as ocorrências de fogo diminuíram este ano para mais de metade, adianta o relatório do ICNF, sublinhando que 2014 é o terceiro melhor ano desde 2004 em termos de área de área ardida, com 19.021 hectares de espaços florestais destruídos pelas chamas.

Segundo o mesmo documento, os únicos dois anos com menor área ardida do que 2014, durante a última década, são 2007 e 2008, com 18.755 e 12.659 hectares respetivamente.

O relatório indica também que os incêndios florestais consumiram, entre 01 de janeiro e 15 de setembro, 19.021 hectares, cerca de sete vezes menos do que no mesmo período de 2013, quando ardeu 138.393 hectares.

O maior incêndio do ano deflagrou em Nisa, no distrito de Portalegre, a 25 de agosto, que consumiu uma área de espaços florestais de 2.268 hectares.