A presidente da Câmara de Silves, no distrito de Faro, estimou esta terça-feira em cerca de 10 mil hectares a área ardida no concelho na semana passada, no fogo que atingiu três municípios do Algarve.

Neste momento estamos a efetuar o levantamento no terreno, mas, segundo os dados provisórios, estimamos que poderão ter ardido cerca de 10 mil hectares no concelho de Silves, afetando essencialmente explorações suinícolas e de pecuária”, disse Rosa Palma (CDU), em declarações à agência Lusa.

A autarca acrescentou que, embora os produtores tenham sido afetados, “no que respeita à alimentação para os animais existem no terreno medidas de apoio da Direção Regional de Agricultura, em articulação com os serviços de Proteção Civil”.

Nas juntas de freguesia das áreas afetadas pelo fogo estão técnicos para receberem as pessoas e registarem todos os casos, de forma a dar uma resposta imediata”, indicou a presidente da Câmara de Silves.

Segundo Rosa Palma, “os prejuízos causados pelo fogo ainda estão a ser quantificados, mas certamente que são elevados”.

No concelho de Portimão, o fogo teve menor impacto, tendo consumido uma área de cerca de 300 hectares de mato, segundo indicou à Lusa fonte da Proteção Civil Municipal.

O incêndio rural de Monchique (distrito de Faro, Algarve), que teve início no dia 03 e foi considerado dominado uma semana depois (na sexta-feira, dia 10, de manhã), foi combatido por mais de mil operacionais e atingiu também o concelho vizinho de Silves, depois de ter afetado, com menor impacto, os municípios de Portimão (no mesmo distrito) e de Odemira (distrito de Beja).

Quarenta e uma pessoas ficaram feridas, uma das quais com gravidade (uma idosa que se mantém internada em Lisboa).

Segundo o município de Monchique, arderam cerca de 16.700 hectares no concelho.