Cerca de 90 por cento dos 873 fogos em habitações no Porto verificaram-se em edifícios em construção, reconstrução ou com obras de manutenção, disse esta segunda-feira à agência Lusa o vereador da Protecção Civil, Sampaio Pimentel.

O vereador, que falava após a cerimónia que assinalou mais um aniversário do Batalhão de Sapadores Bombeiros (BSB) do Porto, fez um balanço muito positivo da actuação dos bombeiros municipais e reafirmou que «a Protecção Civil continua a ser uma prioridade da autarquia».

«Numa cidade muito grande como a nossa há sempre muitos incêndios mas os números que mandei coligir sobre a actividade do Batalhão de Sapadores Bombeiros mostram claramente que a cidade do Porto é muito segura», afirmou.

Sublinhou que os cerca de 230 elementos do Batalhão são chamados a actuar, em média, em 2,7 incêndios por dia, que são prontamente extintos sem grandes danos.

«Sublinho que muitos destes incêndios, que vão desde o fogo num caixote ou contentor de lixo até aos verificados em edifícios de habitação (devolutos ou habitados), comerciais ou industriais, são, na maior parte dos casos, em zonas de fácil propagação», disse Sampaio Pimentel.

A conclusão do vereador é a de que o Batalhão de Sapadores Bombeiros é uma força bem preparada e equipada para intervir em todo o tipo de emergências na cidade.

Referiu ainda que desde 2005, o Batalhão actuou em 15.567 acções de emergência, em auxílio à população em desastres, explosões, desabamentos, desmoronamentos e inundações.

Actuou também em mais de 6.300 actividades complementares, tais como salvamento de animais, reconhecimentos, abertura de portas, informações sobre projectos e pesquisas, entre outros acontecimentos diversos, incluindo alarmes infundados ou falsos.

«Temos ainda aquilo que eu chamo as acções imateriais, como a elaboração de planos de emergência, de que destaco o elaborado para inundações que, por incrível que pareça, não existia, apesar da periodicidade com que se verificam as cheias do Douro, nos anos mais chuvosos», referiu.

Sampaio Pimentel destacou ainda o plano elaborado para emergências no Centro Histórico do Porto, «outra falha grave que urgia colmatar».

O autarca sublinhou ainda que já mandou abrir concurso para a contratação de 30 novos bombeiros para o Batalhão de Sapadores Bombeiros, «para suprir os casos dos elementos que entretanto saíram, para a reforma».

Destacou ainda a decisão de adquirir duas novas viaturas especializadas, uma para desencarceramento ligeiro e a outra para apoio às actuações no Rio Douro dos mergulhadores do Batalhão de Sapadores Bombeiros do Porto.