O Parlamento aprovou esta sexta-feira um requerimento do PSD para ouvir na comissão de Defesa Nacional o Chefe do Estado-Maior da Força Aérea a propósito da nova missão na gestão dos meios de combate aos incêndios.

O requerimento foi aprovado por unanimidade na reunião daquela comissão parlamentar e a audição ficou indicativamente prevista para o mês de março.

O PSD quer esclarecimentos por parte do general Teixeira Rolo sobre o envolvimento da Força Aérea no combate aos incêndios florestais, que numa primeira fase será de centralização dos meios aéreos e, numa fase posterior, numa vertente mais operacional.

No passado dia 5, o CEMFA afirmou, em declarações à Lusa, que propôs ao Governo aumentar o efetivo em cerca de 200 novos militares, de forma gradual, para dar resposta às novas missões que foram atribuídas ao ramo, em particular no combate aos incêndios.

Na mesma altura, o general Teixeira Rolo adiantou que o número de militares incorporados em 2017 ficou abaixo dos objetivos, em particular no que respeita aos praças, o que é, disse, um "fenómeno transversal a todos os ramos".

O recrutamento em 2017, para os regimes de voluntariado e de contrato, ficou cerca de 20 por cento abaixo do que se registou em 2016, confirmou.

Segundo o relatório de gestão de 2016, a FAP contava com 6.646 efetivos militares e civis, número que desceu para 5.952 militares em 2017.