A Polícia Judiciária (PJ) deteve um homem suspeito de ter ateado um incêndio na Póvoa de Lanhoso, em Braga, elevando para 67 o número de alegados incendiários identificados e detidos no país.

Em comunicado, a PJ referiu que, em colaboração com o Departamento de Investigação Criminal (DIC) de Braga, deteve fora de flagrante delito o presumível autor de um “grave” fogo florestal ocorrido a 5 de setembro, naquela localidade.

O incêndio consumiu cerca de 70 hectares de floresta, entre pinheiros, mato e eucaliptos, provocando danos em casas, obrigando à retirada de pessoas.

Esta força policial explicou que o fogo só não atingiu maiores proporções devido à “rápida e eficaz” intervenção de populares e bombeiros, que contaram com o apoio de meios aéreos.

“O arguido atuou motivado apenas pelo desejo de observar a intervenção dos bombeiros no combate aos incêndios, utilizando um isqueiro para atear os incêndios e fazendo-se transportar numa mota pelas matas.”

O detido, sem ocupação laboral, vai ser presente às autoridades judiciárias para primeiro interrogatório judicial.