O número de pessoas que morreram no incêndio florestal que deflagrou no sábado em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, aumentou para 64. Depois de o presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses ter anunciado a morte de um bombeiro que se encontrava em estado grave, a GNR fez um novo balanço, acrescentado uma vítima de Pobrais. 

A GNR disse, num balanço realizado às 20:00, que as "duas últimas vítimas conhecidas" são um civil de Pobrais e "uma vítima da corporação de bombeiros".

Também às 20:00, o comandante dos Proteção Civil fez um balanço sobre as operações, afirmando que, aquela hora, "70% do fogo estava dominado".

Este é um incêndio complexo. É um incêndio com muitos fogos, há muito trabalho, temos varias reativações que neste momento continuam a dar muito trabalho a todos os operacionais que estão no terreno", vincou.

Jaime Marta Soares já tinha avançado durante a tarde que a 63ª vítima mortal era um bombeiro de Castanheira de Pêra, que se encontrava internado em estado grave, em Coimbra.

O presidente da Liga dos Bombeiros destacou, na altura, que havia quatro bombeiros internados em estado grave: dois no Hospital da Prelada, no Porto, um no Hospital Santa Maria, em Lisboa, e outro em Coimbra.

Depois das declarações do presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, a ministra da Administração Interna confirmou aos jornalistas a morte do bombeiro de Castanheira de Pêra e sublinhou que se trata de um "jovem de 30 anos".

Antes, o INEM tinha afirmado que havia 136 feridos, entre os quais 121 civis, 13 bombeiros e dois militares da GNR.

A maior parte dos feridos são ligeiros, tendo 29 necessitado de recorrer ao hospital. Os restantes receberam assistência no local.

Assim, o número de feridos mais que duplicou, uma vez que o último balanço dava conta de 62 feridos.

De acordo com o presidente do INEM, Luís Meira, os psicólogos do INEM, apoiados por profissionais da Cruz Vermelha Portuguesa, autarquias e Proteção Civil, realizaram 354 intervenções.

No local encontram-se 32 elementos do INEM, apoiados por dez viaturas.

O incêndio de grandes dimensões em Pedrógão Grande deflagrou às 13:43 de sábado, em Escalos Fundeiros, e tornou-se no mais mortífero da história do país. As chamas alastraram depois aos concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, e entraram também no distrito de Castelo Branco, pelo concelho da Sertã.