Notícia atualizada

O incêndio que lavra em Moimenta da Beira, distrito de Viseu, apresenta uma frente ativa de difícil acesso, pelo que irá contar com a ajuda de quatro meios aéreos, disse o segundo comandante distrital dos bombeiros.

«Neste momento, o fogo possui uma frente ativa, junto ao rio Tedo, de difícil acesso e que só pode ser combatida por pessoal apeado. Estão já a caminho do local helicópteros, os meios aéreos para ajudar no combate», disse à agência Lusa Henrique Pereira.

Moimenta da Beira: ponto da situação pelo jornalista António Crespo

De acordo com o segundo comandante distrital dos bombeiros de Viseu, o incêndio está a ser combatido por 400 operacionais, com o apoio de 102 veículos, dois pelotões militares, vários grupos de reforço de Coimbra, Guarda, Porto e Aveiro, dois helicópteros Kamov e dois avões anfíbios, sedeados em Vila Real.

«Estou convencido que, com o trabalho que tem sido efetuado no teatro de operações, dentro de duas ou três horas o incêndio estará dominado», indicou o segundo comandante, acrescentando que o fogo não está a pôr em causa casas nem pessoas.

Henrique Pereira adiantou que o incêndio está a afetar mato e floresta.

Na quinta-feira à noite, o presidente da Câmara de Moimenta da Beira, José Eduardo Ferreira, disse à Lusa que ia «começar a fazer uma avaliação dos prejuízos que ocorreram», não podendo ainda adiantar «nenhum valor» concreto.

«Posso dizer que [os prejuízos] são muito significativos, porque há uma série de culturas que foram afetadas e há algumas famílias cujos bens foram muito significativamente destruídos, até, alguns deles, completamente destruídos», descreveu.

O fogo começou às 13:30 de quinta-feira, na localidade de Castelo, e não tem dado tréguas.

As últimas 24 horas têm sido bastante duras para os bombeiros no distrito de Viseu.

Além deste fogo em Moimenta da Beira, registaram-se na quinta outros dois incêndios florestais de grandes dimensões, em Mangualde e Penedono.

Na quinta-feira, em todo o país, houve 85 ocorrências que mobilizaram quase tr~es mil homens e cerca de 800 veículos.

Para esta sexta-feira, 17 concelhos da Guarda, Viseu, Castelo Branco, Coimbra, Santarém e Faro apresentam risco máximo de incêndio, segundo informação do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Em risco máximo de incêndio estão os concelhos de Monchique (Faro), Mação e Sardoal (Santarém), Vila de Rei, Sertã e Oleiros (Castelo Branco), Pampilhosa da Serra e Góis (Coimbra), Sabugal, Gouveia, Fornos de Algodres, Celorico da Beira, Trancoso e Aguiar da Beira (Guarda) e Sernancelhe, Moimenta da Beira e Tarouca (Viseu).