O incêndio que lavra desde a tarde de sexta-feira em Cabeça das Mós, Sardoal, foi "agarrado" ao final da noite estando os bombeiros a combater frentes de incêndios que "continuam a ceder" aos meios no terreno.

Em declarações à Lusa às 00:00, a partir do posto de comando instalado em Cabeça das Mós, o presidente da câmara de Sardoal, município do distrito de Santarém, disse que "confirmaram-se as melhores previsões, as coisas estão controladas e o fogo está agarrado", tendo feito notar que os bombeiros no terreno vão ter ainda "muito trabalho pela frente em termos de fechar a ocorrência e debelar eventuais reacendimentos".

Miguel Borges, para quem "tudo se conjuga" para que o fogo seja controlado rapidamente, lembrou um combate "complicado, principalmente pelo vento, pelos reacendimentos, e proximidade de habitações", durante a tarde, tendo manifestado a "confiança", em declarações à Lusa, cerca das 21:30, por existirem "fatores favoráveis" ao combate, como um "grande número de meios" e, com o cair da noite, a "descida das temperaturas e o aumento da humidade" no local.

Perspetivas corroboradas por Patrícia Gaspar, adjunta nacional de operações da Proteção Civil, que havia afirmado à Lusa, às 21:30 de sexta-feira, que o fogo estava "a começar a ceder aos meios, nos vários setores".

Segundo aquela responsável, neste incêndio que lavra em zona de pinhal e com "muitas pequenas povoações e habitações dispersas" na mancha florestal, "não foi necessário proceder à evacuação de nenhuma aldeia", tendo realçado, no entanto, a necessidade de continuar a "fazer proteção a povoações dispersas em Cabeça das Mós, Mouriscas, onde ardeu um barracão de arrumos, Cabrais, Pinheiro e Casal Vares", algumas das quais já no concelho de Abrantes.

"O combate vai continuar durante a noite e a previsão é que o vento acalme, pelo que as perspetivas são favoráveis", disse, na ocasião, aquela responsável da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Às 00:11, segundo o site da ANPC, o incêndio mantém-se ativo, com três frentes, em povoamento florestal, e estava a ser combatido por 404 operacionais, apoiados por 133 viaturas.

Segundo a ANPC continuavam cortadas ao trânsito a EM 1243, em Entrevinhas, a EN 358 - Cruzamento de Valhascos, e a EN 1220 - Entrada de Entre Serras.

Ardeu antiga funerária

Também no Sardoal, um incêndio urbano destruiu na tarde de sexta-feira uma casa de habitação em Sardoal, no distrito de Santarém, que, segundo o presidente da autarquia era "uma antiga funerária mesmo à entrada da vila e que desalojou a família que lá habitava".

O presidente de câmara disse ainda que os prejuízos "ainda terão de ser avaliados", mas "não teve qualquer relação" com o incêndio florestal que está a atingir o município.