O Plano Municipal de Emergência e Proteção Civil da Lousã foi ativado, devido aos incêndios que eclodiram hoje no concelho, informou a autarquia.

“Esta medida visa facilitar a mobilização eficaz de todos os meios disponíveis para auxiliarem nas operações de combate aos incêndios”, referiu a Câmara Municipal, a que preside Luís Antunes.

Na sua página da internet, a autarquia adiantou que “a situação se agravou devido às condições atmosféricas adversas, nomeadamente às temperaturas elevadas e vento forte”.

O incêndio que começou hoje no concelho na Lousã, distrito de Coimbra, às 08:41, alastrou a Vila Nova de Poiares, onde destruiu vários armazéns e pelo menos três casas, uma delas de primeira habitação, tendo avançado depois para o concelho de Penacova.

O Plano Municipal de Emergência e Proteção Civil da Lousã foi ativado às 13:45, segundo a autarquia.

No concelho da Lousã, o fogo destruiu antes a antiga Fábrica de Papel do Boque, em Serpins, classificada como imóvel de interesse municipal, além de edificações que não eram habitadas.

O incêndio começou próximo de Vilarinho, concelho da Lousã, e estava cerca das 19:30 a ser combatido por 498 operacionais, apoiados por 136 viaturas e um meio aéreo, de acordo com a página na internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil.