A Autoestrada do Pinhal Interior (AE13) está cortada na zona de Almalaguês devido ao incêndio que lavra este domingo à tarde no concelho de Coimbra e que mobiliza 118 operacionais e quatro meios aéreos, de acordo com a Proteção Civil.

A página da internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) adianta que o incêndio começou às 15:10, na freguesia do Santo António dos Olivais, concelho de Coimbra.

No local estão 284 operacionais, apoiados por 78 meios terrestres e quatro aviões.

Segundo a Proteção Civil, o combate regista uma “evolução favorável, apesar do vento forte” que se faz sentir na zona, mas ainda não está dominado.

A adjunta nacional de operações da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar, adiantou à agência Lusa que o incêndio está a lavrar junto a Coimbra, mas não se regista qualquer perigo, nem danos.

Segundo a mesma responsável, foi vivida uma situação mais complicada na Praia Fluvial do Mondego devido ao fumo, mas não chegou a ser evacuada.

Outra ocorrência importante destacada na página da internet da ANPC é o incêndio que lavra no concelho da Sertã, distrito de Castelo Branco, e que está a ser combatido por 417 operacionais, oito meios aéreos e 113 viaturas.

De acordo com a Proteção Civil, o incêndio tem duas frentes ativas e começou às 13:47, na localidade de Mosteiro de São Tiago, na freguesia de Várzea dos Cavaleiros, no concelho da Sertã.

Entre as várias situações que preocupam os bombeiros, está a de Gavião, no distrito de Portalegre, no Alentejo. Mais de 200 operacionais, apoiados por 44 veículos e quatro helicópteros, estão a combater um fogo no concelho de Gavião.

Segundo a fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Portalegre, o fogo deflagrou às 16:11 numa zona de floresta, perto da localidade de Domingos da Vinha, na freguesia de Belver.

Cerca das 18:30, o incêndio tinha duas frentes ativas e as chamas estavam a ser combatidas por 221 operacionais e 44 veículos de corporações de bombeiros dos distritos de Portalegre, Évora e Castelo Branco e da GNR, apoiados por quatro helicópteros.

As chamas chegaram a ameaçar as aldeias de Areia e Outeiro Cimeiro, as quais foram protegidas. "Não houve problemas e estão fora de perigo", disse a fonte.