O combate ao incêndio no concelho de Proença-a-Nova apresenta uma "evolução relativamente favorável", disse à agência Lusa o presidente da Câmara Municipal.

A frente que se aproximava da vila não está ainda controlada, "mas é menos grave" e, até agora, as chamas não passaram o IC8, estando meios posicionados naquela via para garantir que o fogo não segue em direção à sede do concelho, explicou o presidente da Câmara, João Lobo.

Outra frente caminha a sul, já na freguesia de São Pedro do Esteval, sendo que a aldeia de Redonda "é a única em contingência", afirmou o autarca, sublinhando que essa frente "evolui mais lentamente", por ser uma zona com muito pasto e menos densidade florestal.

Até ao momento, acrescentou, não foi feita qualquer evacuação e continua a não haver registo de feridos ou de casas de primeira habitação destruídas.

O vento não está tão forte [como ao final do dia] e isso está a ajudar ao combate" às chamas, frisou João Lobo, referindo que as frentes "que evoluem com mais rigor" são as de Proença e de Cimadas.

Leia também:

O autarca comparou o incêndio a um que lavrou na mesma zona em 1998 e que, tal como este, teve origem no concelho vizinho da Sertã.

É o tempo de concentrar medidas concretas de ação porque são muitas décadas e muita legislação [produzida] sem ver qualquer objetivo alcançado em termos de ordenamento florestal", sustentou.

João Lobo sublinhou que é preciso mudar mentalidades: "Não podemos abdicar mais de um bem que é a floresta. É desperdiçar um bem que não é dos concelhos onde está. É do todo nacional".

Durante a tarde, o vento forte e incerto levou o incêndio de Proença-a-Nova para junto de habitações. Na localidade de Galisteu Cimeiro, as populações chegaram a combater as chamas sem a ajuda de bombeiros.

O incêndio deflagrou na tarde de domingo no concelho da Sertã (distrito de Castelo Branco) e alastrou-se a Proença-a-Nova, bem como ao concelho de Mação (distrito de Santarém).

Às 22:40, em todo o perímetro do fogo, estavam a atuar no combate às chamas 995 homens e 322 viaturas, segundo a página da Autoridade Nacional da Proteção Civil na internet.