O presidente da Câmara de Gavião, no Alentejo, José Pio (PS), exigiu, nesta sexta-feira, ao Governo que o seu concelho seja "equiparado", em termos de apoios, a todos os outros que foram fustigados pela "catástrofe dos incêndios”.

O Governo vai ter de dar, mais do que uma palavra, um gesto para nos equiparar a todos os concelhos que foram atingidos pela catástrofe dos incêndios", disse à agência Lusa o autarca socialista de Gavião, no distrito de Portalegre, onde as chamas destruíram "cerca de 80%" da área da freguesia de Belver.

O fogo em Belver deflagrou na tarde de terça-feira, no local de Ribeira de Eiras, e foi dominado e entrou em fase de resolução hoje de madrugada, não tendo causado danos pessoais, nem destruído habitações, apesar de vários aglomerados populacionais terem sido evacuados, num total de 120 pessoas retiradas de casas.

Segundo o presidente do município de Gavião, a freguesia de Belver foi atingida por uma "catástrofe", que "vai levar anos a recuperar".

A freguesia de Belver tem sete mil hectares e arderam cinco mil", relatou José Pio, destacando a destruição de pinhal e eucaliptal.

O autarca fez questão de enaltecer o trabalho feito pelos bombeiros e pelos serviços de Proteção Civil, congratulando-se por não se terem registado vítimas.