Notícia atualizada

A GNR anunciou a detenção, em Aldeia do Bispo, na Guarda, de dois pintores de manutenção de antenas de telecomunicações, por suspeita de terem originado um incêndio florestal que foi dominado pelas 16:38 desta sexta-feira.

Fonte do Comando Territorial da GNR da Guarda disse à agência Lusa que os dois homens, com 25 e 40 anos, residentes em Lisboa, são suspeitos de terem provocado o incêndio, pelas 14:51, quando «procediam à reparação de antenas de telecomunicações com a utilização de uma rebarbadora».

A fonte indicou que as chamas destruíram uma área de mato com cerca de oito hectares e «andaram próximo de habitações», não tendo causado danos «devido à pronta intervenção dos bombeiros».

O fogo, que foi combatido por 78 bombeiros, um helicóptero e 22 veículos, foi dado como dominado pelas 16:38.

Os dois detidos foram notificados pela GNR para se apresentarem na segunda-feira no Tribunal da Guarda para primeiro interrogatório judicial e aplicação de eventuais medidas de coação.

Nos últimos sete dias, a GNR deteve seis suspeitos de incêndio florestal nos concelhos de Guarda, Sabugal, Pinhel e Trancoso, no distrito da Guarda.

Já hoje a GNR anunciou a detenção, no Sabugal, de um homem de 21 anos, trabalhador agrícola, por suspeita de ter originado um incêndio florestal «por uso indevido de motosserra».

O homem foi detido, na tarde de quinta-feira, por militares do Destacamento Territorial da GNR da Guarda, após ter deflagrado um incêndio numa zona de floresta e mato numa quinta situada nos arredores da cidade do Sabugal, onde manobrava uma motosserra.

Fonte do Comando Territorial da GNR da Guarda adiantou à agência Lusa que as chamas destruíram cerca de um hectare de mato e de floresta.

O detido foi hoje presente ao tribunal judicial do Sabugal, que lhe aplicou a medida de coação de termo de identidade e residência, como conta a Lusa.